Fenação é o processo de desidratação e conservação da forragem  através da luz do sol, conservando-a por um longo período com qualidade. Garantindo alimentação dos animais em períodos de estiagem.

Fenação é o processo de desidratação e conservação da forragem  através da luz do sol, conservando-a por um longo período com qualidade, sem perda da qualidade nutricional. O que garante alimentação animal mesmo nos períodos de estiagem, uma importante estratégia de convivência com o Semiárido e de garantia da segurança alimentar dos animais, assim como das pessoas, pois mantém o rebanho saudável mesmo nos períodos de secas. No Semiárido brasileiro é uma técnica muito utilizada pela agricultura familiar.

COMO FUNCIONA

“A Fenação é uma importante estratégia de convivência com o Semiárido e de garantia da segurança alimentar dos animais”.

Nos períodos de estiagem das chuvas nas regiões semiáridas, a preocupação com a alimentação dos animais é ainda maior. E a Fenação é uma prática muito simples, é a “retirada da água” das plantas forrageiras, de modo que elas fiquem secas para o armazenamento e conservação do feno por um período mais longo. O Feno é o produto da fenação, é a forragem parcialmente desidratada pronta para ser armazenada para, quando  necessária, ser consumida pelos animais. O planejamento dessa alimentação é essencial para que o rebanho se mantenha saudável e tenha alimentos garantidos por todo o período sem chuvas. Garante também segurança alimentar de toda a família e a possibilidade da geração de renda. No Semiárido há uma grande diversidade de plantas forrageiras, que são geralmente gramíneas e leguminosas, usadas como fonte de alimento. E é necessário cuidar dessas plantas para a garantia do alimento. No Brasil, por exemplo, a caatinga é o bioma predominante na região semiárida e 70% dela é formada por plantas forrageiras. A água também é um elemento importante para a alimentação da criação, mas diversas tecnologias já vem sendo desenvolvidas, em especial no Semiárido brasileiro, que garantem água também no período de estiagem, a partir do estoque.

A Fenação é a prática de retirar a “água” das plantas forrageiras, de modo que elas fiquem secas para o armazenamento e conservação da ração por um período mais longo;

É necessário que se preserve a vegetação natural do Semiárido, que também é alimentação dos animais. No Brasil o bioma predominante no semiárido é a caatinga e 70% dela é de plantas forrageiras;

O planejamento da alimentação animal é essencial para que o rebanho se mantenha saudável e tenha comida garantida por todo o período sem chuvas;

Para realizar a Fenação é necessário que se cultive um pasto resistente à seca. No Brasil, são espécies como o algodão, o sorgo, o feijão guandu, entre outras plantas. O cultivo de plantas resistentes à seca é uma forma de assegurar a alimentação dos animais, que pode ser fornecida de forma natural, ou armazenada na Fenação.

COMO MUDA A VIDA

“Os animais conseguem se manter saudáveis e alimentados durante todo o ano, a família tem sua segurança alimentar garantida, além da possibilidade da geração de renda”.

Com uma estratégia de convivência com a região semiárida, é possível garantir alimentação para as pessoas, para os animais, assim como a preservação da vegetação. A Fenação, contribui para que se tenha alimento guardado para os animais durante todo o período sem chuvas. Com isso, os animais conseguem se manter saudáveis e ter alimentos durante todo o ano; a família tem sua segurança alimentar garantida, além da possibilidade da geração de renda, com a possível venda dos animais, dos seus derivados, como o leite ou até do beneficiamento de produtos. A criação também se mantém com melhores índices de sanidade, pois nutrida diminui a possibilidade de proliferação de doenças, diminuindo assim os índices de mortalidade. A Fenação também ajuda o aproveitamento de uma diversidade maior de espécies, pois algumas das plantas são mais bem aceitas pelos animais quando fenadas, pois a secagem elimina alguns cheiros e também as substâncias tóxicas.

  • A criação dos animais é fortalecida e garantida mesmo na estiagem, pois a Fenação garante alimentação para o período mais seco;
  • Os animais se mantém com melhores índices de sanidade, pois nutridos diminui a possibilidade proliferação de doenças;
  • Se garantem alimentos para as pessoas, para os animais, assim como a preservação da vegetação, que é necessária para a Fenação;
  • A Fenação, contribui para que se tenha alimento guardado para os animais, a partir das plantas, durante todo o período sem chuvas;
  • Animais conseguem se manter saudáveis e é possível ter alimentos durante todo o ano;
  • Diminuem os índices de mortalidade animal;
  • A Fenação conserva a forragem com quase todo o valor nutritivo durante muitos meses, e até anos, para a utilização nos períodos de escassez de alimentos;
  • A família tem sua segurança alimentar garantida, além da possibilidade da geração de renda.

COMO FAZER

É muito importante para o processo de Fenação que aconteça a preservação da mata nativa da região. Isso porque é com a vegetação local que se alimentam os animais e essa é a vegetação mais adaptada a eles, assim como é com ela que se realiza a Fenação. O desmatamento também causa degradação dos solos e consequentemente falta de água, que também prejudica os animais. Por isso, é importante plantar para recuperar a terra, para recuperar a vegetação ambiente e criar condições para produzir em abundância e ter material suficiente para a preparação dos fenos. No passo-a-passo a seguir o processo de construção será apresentado em detalhes, com dicas e recomendação de boas práticas.

  • Preserve a mata nativa da região, ela que é a grande produtora de plantas forrageiras que são alimentação dos animais e matéria prima para o processo de Fenação;
  • A Fenação deve ser realizada com boas plantas forrageiras, que devem ter boa produção de massa verde, boa resistência a cortes frequentes, caules finos, e muitas folhas e boa adaptação ao clima e solo da região;
  • Recomenda-se fazer o corte tão logo as forrageiras diminuam a velocidade de crescimento, pois em seguida perdem rapidamente o valor nutritivo;
  • Não corte as plantas em dias nublados, pois essa condição climática pode aumentar o tempo de secagem;
  • Quanto menor o tempo de secagem, menor a perda do valor nutritivo do feno;
  • Em média são necessários três quilos de forragem verde para produção de um quilo e meio de feno;
  • O feno é dado aos animais no período de pouca alimentação in natura, por isso tem que ser de boa qualidade para os animais ficarem saudáveis e produtivos.

COMO CUIDAR

O cuidado com a forragem produzida na Fenação é importante para garantir um feno saudável e que possa ser alimento dos animais durante todo o período de estiagem. Apesar de ser uma técnica simples, é necessário que se tenha atenção no seu processo de produção para que a forragem não corra o risco de produzir mofo, por exemplo.

Cuidados para a manutenção da estrutura

  • A fenação deve ser armazenada em local seco e ventilado, livre de umidade e sem perigo de incêndio;
  • Existem vários tipos de armazenamento, como em fardos, que  podem ficar no próprio campo, cobertos com plásticos ou armazenados em galpões;
  • A forragem deve ser protegida das chuvas;
  • O resultado da Fenação deve apresentar cor esverdeada, aroma e sabor agradável;
  • A forragem também deve ter boa aceitação pelos animais;
  • É importante que a forragem não sofra fermentação ou ataque de insetos;
  • A forragem não deve conter plantas tóxicas ou corpo estranho.

Referências

ARAUJO NETO, R. B. de. Conservação de forragem: fenação. Teresina: Embrapa Meio Norte. 2000.

ARAUJO NETO, R.B. de & CAMARA, J.A. da S. Conservação de forragem: fenação e silagem. Teresina: Embrapa Meio Norte. 2000. 16p. (Embrapa Meio-Norte. Recomendações Técnicas, 6).

Série Criação Animal: Armazenamento de Forragens – Banco de Proteínas. Diaconia. Recife: 2006.

Série Criação Animal: Armazenamento de Forragens: Fenação e Ensilagem. Diaconia. Recife: 2006.

Série Sertão que dá certo: Desenvolvendo uma cultura de estoques e convivendo com as condições de Semi-Árido. CAATINGA. Ouricuri: 2008.