Daki Semiárido Vivo

PLANOS COMUNITÁRIOS DE ENFRENTAMENTO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O CASO DOS GERAIZEIROS DO ASSENTAMENTO TAPERA E CÓRREGO VERDE

Voltar para a lista de iniciativas PLANOS COMUNITÁRIOS DE ENFRENTAMENTO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O CASO DOS GERAIZEIROS DO ASSENTAMENTO TAPERA E CÓRREGO VERDE
  • Categorias: Acceso y Gestión de la TierraAcceso y Gestión de la Tierra,Acesso e Gestão da Terra,Inovação e organização social,Inovacción y organización social
  • Tipo: Experiências Sistematizadas
  • Região: Semiárido Brasileiro
  • Idiomas: Português
  • Identidade: Comunidades Tradicionais
  • Resumo: A iniciativa apresenta a elaboração e execução do Plano Comunitário de Enfrentamento às Mudanças Climáticas que envolveu as comunidades do Assentamento Tapera e Córrego Verde, município de Riacho dos Machados, MG. Realizada a partir da adaptação de metodologia desenvolvida por PPT e HEKS, juntamente com o CAA, foi constituída de processos participativos de avaliação e de construção de propostas de adaptação e redução de riscos climáticos, com análises que consideraram a realidade do entorno e da comunidade, incluindo a percepção dos homens, mulheres e jovens. Como resultado foi elaborado um plano considerando as diversas dimensões dos impactos das mudanças climáticas na comunidade. A sua execução foi realizada em comunidades que enfrentam o esgotamento dos recursos hídricos e as mudanças do tempo em um contexto de expropriação da terra e degradação ambiental promovida por grandes empreendimentos. Essas comunidades acionaram suas identidades enquanto geraizeiros na luta pelo direito de viver no lugar. A experiência proporcionou às famílias entrarem no debate sobre as mudanças climáticas e a necessidade de se prepararem para prevenir ou conviver neste contexto. Com a aplicação da metodologia, a comunidade se inteirou da existência tanto de fatores locais quanto do entorno, que contribuíam à fragilização dos agroecossistemas frente às mudanças climáticas. Da mesma maneira, a metodologia apontou que a comunidade já promovia algumas práticas adequadas de convivência, mas que seria necessário odesenvolvimento de novas práticas, mais adequadas. O plano apontou propostas a serem encaminhadas, seja pelas próprias famílias, pela comunidade e também demandas junto aos poderes públicos.
  • PDF: Download