Daki Semiárido Vivo

Passo 1

Reunir a comunidade – para discutir a proposta de implementação da Casa de Sementes, devem-se reunir pessoas da comunidade, grupos, a associação, etc. quanto mais gente pra discutir a proposta melhor e mais coletiva é a construção.

Passo 2

Escolha do local – na discussão comunitária é onde se deve fazer a escolha do local para funcionar o espaço físico da Casa de Sementes. A comunidade pode avaliar se já tem algum espaço que pode ser cedido ou se é necessário uma nova construção.

Passo 3

Resgate da memória das sementes da comunidade – também coletivamente deve ser feito um resgate da memória das sementes da comunidade. Quais sementes e variedades cada agricultor e agricultora tem em suas propriedades, quais são sementes crioulas, discutindo suas características, formas de conservação, quais serão prioridades para o armazenamento. Esse levantamento é essencial para o resgate também da história local.

Passo 4

Construção ou adaptação do local – Aqui a comunidade depois que definiu se vai usar um espaço já existente na comunidade, deve fazer as adequações para armazenar as semente. Ou se escolheram um local para a construção da casa, ela deve ser feita seguindo padrões locais de construção.

Passo 5

Gestão comunitária – o processo de gestão também deve ser debatido no coletivo. Para que sejam eleitos critérios para a distribuição, empréstimo, multiplicação e devolução das sementes estocadas, tais como quantidades, umidade, qualidade, limpeza entre outros. Além de discutir como se dará a multiplicação das sementes e quem ficará responsável por multiplicá-las para a comercialização.

Passo 6

Intercâmbios – Se a comunidade tiver possibilidade de conhecer e intercambiar a experiência com outra comunidade que já tenha Casa de Sementes, isso será muito importante para a troca e discussão de  técnicas tradicionais de armazenamento das sementes e outros conhecimentos e formas de gestão.