15 de julho de 2021

Em 8 de julho de 2021, a equipe técnica do DAKI Semiarido Vivo da FUNDE visitou a Associação de Produtores Agrícolas e Orgânicos da Serra Tecapa (APAOSIETE), localizada no município de Berlín, departamento de Usulután, El Salvador. A APAOSIETE nasceu como uma iniciativa e um esforço dos pequenos agricultores. Foi fundada em 2014 e conta atualmente com 62 membros (35 homens e 27 mulheres), que desenvolvem sistemas de produção agroecológica de grãos básicos: milho e feijão, assim como frutas, legumes, mel, café, cacau, ervas aromáticas, etc., conseguindo conservar suas pequenas áreas de floresta com espécies florestais nativas.

A visita foi realizada com o objetivo de compartilhar informações sobre as atividades que o DAKI Semiárido Vivo está desenvolvendo e planeja realizar, incluindo a sistematização de experiências em agricultura resistente ao clima e o programa de treinamento virtual com agricultores e técnicos das regiões secas (semi-áridas e sub-húmidas) do Corredor Seco, na América Central, do Grande Chaco Trinacional na Argentina, Bolívia e Paraguai, e do Brasil.

Durante a visita, membros da equipe técnica DAKI Semiárido Vivo da FUNDE tiveram a oportunidade de conversar com líderes da associação sobre sua origem, situação e projeção futura. Eles também discutiram as práticas agroecológicas que os membros implementam em seus lotes produtivos. “Ver isso e estar na natureza faz você se apaixonar”, disse Delmy Turcios, uma fazendeira da APAOSIETE.

Os agricultores da associação administram e implementam práticas agroecológicas com um forte compromisso com a restauração e conservação de seus sistemas agroprodutivos, desenvolvendo práticas de proteção para florestas, solo e água, que lhes permitem produzir alimentos saudáveis e saudáveis, livres de agrotóxicos. “Com o consumo de alimentos agroecológicos, você adoece menos”, disse Daniel Campos, presidente da APAOSIETE. Ele também especificou que, além de assegurar a alimentação saudável para a família, há o reflorestamento de suas áreas. “Espécies de árvores nativas estão sendo preservadas”, disse Sebastián Cedillo, técnico da associação.

A associação conta atualmente com $45.000 de apoio técnico e financeiro do Programa Rural Adelante do Ministério da Agricultura de El Salvador, apoiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA). Em anos anteriores, a associação também teve o apoio de outros programas financiados pelo IFAD.

Sobre o DAKI Semiarido  Vivo- Trata-se de uma iniciativa de construção de conhecimentos sobre a agricultura resiliente ao clima a partir das experiências das comunidades e famílias agricultoras das áreas semiáridas do Brasil e do Grande Chaco Trinacional (Argentina, Bolívia e Paraguai) e da área subúmida do Corredor Seco, na América Central. Para construir esse conhecimento, o DAKIi SV se sustenta em dois eixos. A identificação do conhecimento já sistematizado com relação a estas experiências e também a sistematização de práticas escolhidas nas regiões. O segundo eixo é criação e execução de um programa de formação direcionado para mais de 1,3 mil agricultores familiares e técnicos de organizações de fortalecimento da agricultura familiar em áreas mais atingidas pelas mudanças climáticas. O primeiro curso do programa de formação começa em novembro de 2021.

O D AKI Semiarido Vivo foi articulado por duas redes que atuam nas áreas secas do continente: a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) e a Plataforma Semiáridos da América Latina. Em uma das três regiões, uma organização da sociedade civil ancora a sua execução. No Brasil, a Associação Programa Um Milhão de Cisternas (AP1MC), responsável pela gestão física e financeira das ações da ASA. No Grande Chaco, a Fundação para o Desenvolvimento da Justiça e Paz (FUNDAPAZ) e, no Corredor Seco, a Fundação Nacional para o Desenvolvimento (FUNDE).

O projeto é financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), uma agência de financiamento ligada ao sistema das Nações Unidas (ONU) e voltada para as populações rurais e ampla atuação na América Latina.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *